Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

o sítio do conguito

deambulações pela net, palavras, imagens, sons, coisas estranhas... enfim, eu.

Nisto de navegar pela Internet, há que pensar desde o início. E o início passa por escolher um bom navegador.
Pessoalmente acho que nestas coisas o melhor é Firefox, da Mozilla. É rápido, gratuito, o seu código é aberto e permite instalar extras (plugins) para tudo e mais alguma coisa!



Recentemente, os senhores da Mozilla lançaram uma versão "especial"  do Firefox virada para os estudantes (desde o ensino básico ao universitário).
Mas o que tem de diferente esta versão das outras?
Apenas a inclusão de 3 plugins que em muito ajudarão os estudantes (e não só) nas suas pesquisas e navegação:
- Foxitunes
Permite controlar os leitores de música instalados no computador e ouvir música, além de encontrar letras, capas vídeos e biografias enquanto navegamos.
- Zotero
A ferramenta ideal para descobrir, organizar  e citar as pesquisas que vamos fazendo na Internet. Permite guardar as páginas como .pdf, imagens ou até faz cópias integrais dos sítios visitados. É compatível com o Word e o Open Office e exporta as referências na maioria dos formatos conhecidos: EndNote, BibTex, etc...
- Stumbleupon
Mais uma ferramenta de social bookmarking. Com este plugin podemos classificar as páginas que consultamos e partilhamos com milhões a nossa opinião. Podemos ta,bém descobri novos sites que forma classificados pelos outros da mesma forma.

Se já são utilizadores do Firefox, mas não conheciam estes extras não hesitem; experimentem!

Download
Licença: Códico Aberto (Open Source)

Ontem acabaram as férias, hoje "volta-se ao activo". Embora este ano acho que (realmente) não parei. Assim sendo, convém lembrar algumas das indicações que o ministério deixou para o próximo ano lectivo (em Julho).
...mas da maneira como isto anda, já está tudo diferente!
(Upps! Santinhas do Porto e da 5 de Outubro, isto não é uma crítica, é uma constatação baseada nas trapalhadas no concurso para professor titular. Ok?)

As marcações são da minha responsabilidade.
A estabilidade do corpo docente, assegurada pelo novo regime legal dos concursos, possibilita a constituição de equipas pedagógicas que acompanhem os alunos ao longo de um ciclo de escolaridade, assumindo a responsabilidade pela evolução das suas aprendizagens.
As equipas pedagógicas, integradas pelos professores das diferentes disciplinas do ano de escolaridade e pelos docentes de educação especial, iniciam funções após o período de matrículas, envolvendo-se nas tarefas de constituição da turma e de análise do percurso escolar dos alunos.

Perante o diagnóstico efectuado, que deve mencionar as características e as dificuldades de aprendizagem dos alunos, as equipas elaboram o plano curricular de turma, no qual explicitam as estratégias a desenvolver para ultrapassar as dificuldades identificadas.

Tendo em vista a melhoria dos resultados escolares dos alunos, as equipas devem desenvolver a mais estreita articulação na planificação das actividades lectivas, bem como nas de complemento e enriquecimento curricular e apoio educativo, de modo a prevenir a repetência e a promover o sucesso escolar.

No final do ano, as equipas procedem a uma rigorosa avaliação do trabalho realizado, antes de planearem o ano lectivo seguinte.

Apoio educativo aos alunos
Quando um aluno necessita de apoio educativo, a responsabilidade pela sua recuperação a nível escolar cabe, em primeiro lugar, ao professor titular de turma ou de disciplina. Depois de elaborado o respectivo plano de recuperação, acompanhamento ou desenvolvimento, as horas previstas no horário escolar do aluno devem ser suficientes para que este adquira as competências necessárias.

Quando se verificar a necessidade de reforçar o apoio educativo ao aluno, o docente deve dispor do tempo superveniente assinalado no seu horário, que oscila entre 90 e 45 minutos, conforme o número de aulas leccionadas.

Se houver situações em que esse número de horas não seja suficiente, em determinadas áreas ou disciplinas, as escolas podem recorrer a docentes sem componente lectiva atribuída, a docentes com insuficiência de tempos lectivos ou a horas do crédito da escola.

No 1.º ciclo, tal como nos restantes níveis de escolaridade, a gestão do tempo lectivo deverá possibilitar oportunidades de aprendizagem a todos os alunos. Quando tal não for suficiente, o conselho executivo deve recorrer aos docentes sem componente lectiva colocados nas diferentes escolas do agrupamento.

Nos casos em que não existam docentes sem componente lectiva nos estabelecimentos de ensino do agrupamento, a direcção executiva pode recorrer ao crédito de horas da escola, o que poderá implicar a contratação de docentes para horários incompletos no 1.º ciclo.

Ocupação plena dos tempos escolares
Os agrupamentos e as escolas são responsáveis pelo acompanhamento educativo dos alunos durante o período de permanência no espaço escolar.

Para que esse acompanhamento seja efectivamente assegurado, as escolas devem definir um plano anual de distribuição de serviço docente que assegure a ocupação dos alunos dos ensinos básico e secundário, em caso de ausência do professor titular de turma ou de disciplina.

Tendo em vista garantir o cumprimento dos programas, o professor deve, sempre que possível, entregar ao conselho executivo o plano da aula a que irá faltar.

O conselho executivo, na posse do plano da aula, deve providenciar a sua substituição, preferencialmente através da permuta da actividade lectiva programada entre os docentes da mesma turma, ou então por um professor com formação adequada, dando preferência aos docentes do quadro cuja componente lectiva necessite de ser completada.

Quando tal não for possível, devem ser organizadas actividades de enriquecimento e complemento curricular, entre as quais se contam as seguintes actividades educativas:

* Actividades em salas de estudo;
* Clubes temáticos;
* Actividades de uso das tecnologias de informação e comunicação;
* Leitura orientada;
* Pesquisa bibliográfica orientada;
* Actividades desportivas orientadas e actividades oficinais, musicais e teatrais.

O professor que assegurar a substituição deve registar no livro de ponto da turma o sumário das actividades desenvolvidas, que deverá ser passado pelos alunos para o seu caderno diário.

Elaboração dos horários dos professores
De acordo com um despacho que estabelece as regras a observar, em cada ano lectivo, quanto à organização e à distribuição do serviço docente nas escolas, nos horários dos professores tem de ser registada a totalidade das horas correspondentes à duração da respectiva prestação semanal de trabalho, com excepção da componente não lectiva destinada a trabalho individual e da participação em reuniões de natureza pedagógica.

A componente não lectiva individual compreende a realização do trabalho de preparação e avaliação das actividades educativas, bem como a elaboração de estudos e de trabalhos de investigação de natureza pedagógica ou científico-pedagógica.

A componente não lectiva de estabelecimento dos educadores de infância e dos professores do 1.º ciclo é utilizada na supervisão pedagógica e no acompanhamento das actividades de apoio à família e de enriquecimento curricular.

As actividades de apoio ao estudo no 1.º ciclo são asseguradas pelo professor titular de turma, desde que não possam ser realizadas por docentes do agrupamento que, entre outras situações, não tenham horário lectivo atribuído ou tenham insuficiência de tempos lectivos.

Os conselhos executivos determinam o número de horas da componente não lectiva de estabelecimento, tendo em conta o serviço docente distribuído, nomeadamente o número de níveis e de programas leccionados, as cargas horárias das disciplinas atribuídas, a diversidade dos anos de escolaridade, o número de alunos por turma, o carácter teórico-prático da disciplina e a diversidade dos problemas de aprendizagem.

Para mais informações, consultar o despacho.
Fonte: Ministério da Educação

Ora vamos ver o que os senhores do Executivo têm para mim este ano...
______
Actualização: Os senhores do executivo já sabem o que há para mim, não podem é dizer.
Há que aguardar...
26 Ago, 2007

Sistema Solar

Como estamos numa de olhar para as estrelas...
Apresento-vos o "Sistema Solar".



Baseado nos conteúdos da Wikipédia , este software é uma preciosa ajuda para ficar a conhecer melhor o nosso Sistema Solar.
Basicamente é uma versão offline da Wikipédia enriquecida com imagens, animações e vídeos da NASA.
Possui ligações para a Wikipédia (para conhecermos os artigos actualizados) e permite copiar os mesmos conteúdos para o computador com muita facilidade.
Podemos navegar a partir do menu principal que apresenta os 8 planetas e o Sol ou então usar a ferramenta de pesquisa que se encontra sob o menu "Lista de Artigos".
Com dezenas de artigos é ferramenta ideal para miúdos e graúdos usarem nas suas primeiras descobertas acerca do nosso sistema solar.
O ficheiro tem quase de 200 Mb , o que se compreende devido aos conteúdos incluídos. Basta descompactar o ficheiro descarregado, e está pronto a usar.
Naturalmente, é gratuito!

Editora: www.europanet.com.br
Download
Licença: Freeware
25 Ago, 2007

Stellarium

Foi muito noticiado o lançamento de uma actualização do Google Earth que permite viajar não só pela Terra com também pelo céu e pelas estrelas.
Contudo, se queremos uma ferramenta com provas dadas neste domínio e muito estável temos de experimentar o Stellarium.

 

Este programa open souce é muito completo e pode ser totalmente configurado para a língua de Camões.
Permite navegar pelos planetas, estrelas, galáxias e constelações através do rato e têm potentes efeitos de ampliação. Podemos definir qualquer ponto de observação na Terra e ver os movimentos dos astros em tempo real ou acelarado. Se queremos procurar um determinado planeta ou estrela, nada mais simples: é só clicar na caixa de busca, escrever o nome e clicar em "Procurar".
Possui um catálogo de cerca de 600.000 estrelas, que pode ser expandido até mais de 210.000.000 estrelas!
Podemos simular eclipses (bastando saber a data e o local em que ocorrem) e até tem um "modo noturno" (na imagem) muito útil para usar num portátil na fora de casa...
Existem versões para Linux, Mac OS e Windows. Por isso já não há desculpas para não levar os miúdos e os graúdos a andar com a cabeça nas núvens!

Sítio: www.stellarium.org

Download: Linux (código fonte) | Mac OS | Windows
Manual de Instruções
Licença: GPL
24 Ago, 2007

Feedburner

Hoje em dia é muito fácil criar um blog ou mesmo um podcast. São ferramentas fantásticas para nos exprimirmos e para chegarmos a uma audiência maior.
Uma grande inovação nesta tecnologia foram os feeds. Com os feeds tornou-se possível acompanhar dezenas ou até centenas de blogues ou sítios sem ter de os consultar um a um: as novidades vêm até nós!



É neste contexto que surge (já há algum tempo) o Feedburner.
O Feedburner é uma aplicação web que nos permite "queimar" um feed. Através do Feedburner podemos publicar o nosso feed mas também podemos "artilhá-lo" com uma séries de extras que normalmente não vêm incluidas no nosso feed original. Contudo o maior benefício é o facto de nos dar estatísticas relativas ao feed (e ao do site também, mas isso é opcional). Podemos saber quantos leitores (ou ouvintes, no caso do podcast) temos, de onde são, como vieram cá parar e o que viram.
É uma excelente forma de conhecermos os nosso ouvintes/leitores.
Para funcionar apenas precisamos de nos registar, indicar o endereço do nosso feed e depois substituir o feed no nosso blogue/sítio pelo fornecido no Feedburner.

Ah, e também é gratuito!

sítio: www.feedburner.com
Vídeo explicativo
23 Ago, 2007

Audacity

Para a edição de áudio temos muitas ferramentas que podemos usar. Umas são fantásticas como o Adobe Audition, ou o Sony Sound Forge contudo estas ferramentas têm um pequeno (grande) problema: são pagas.
Mas é aí que chega o Audacity.



Com o Audacity podemos gravar áudio com várias pistas simultaneamente, juntar voz, música e efeitos sonoros. é a ferramenta ideal para criar podcasts facilmente.
Podemos gravar os ficheiros como .wav, .ogg e .mp3 (contudo, devido a restrições legais, para gravar em .mp3 é necessário fazer o download à parte do codificador).
Existem vários filtros que podemos aplicar aos sons e ainda podemos encontrar muitos mais no seu sítio.

Esta ferramenta "open source" existe para as 3 plataformas: linux, mac e windows

sítio: audacity.sourceforge.net
downloads: Linux (código fonte) | Mac | Windows
Licença: GPL

"A Comissão Europeia lançou uma consulta pública sobre os desafios que se apresentam às escolas que integram a União Europeia. A iniciativa dirige-se a todos os que se interessem pelo tema.
(...)
A Educação está no centro dos esforços da União Europeia (UE) para melhorar a competitividade e coesão social. Alguns dos desafios e das questões mais importantes que se reflectem no bem-estar dos indivíduos e numa melhor sociedade estão relacionados com a qualidade da Educação.
A Comissão Europeia (CE) decidiu lançar esta consulta publica com o objectivo de identificar os aspectos do ensino escolar em relação aos quais pretende desenvolver uma acção conjunta, de apoio aos Estados-Membros, tendo em vista a modernização dos respectivos sistemas de educação.
O documento preparado pela CE, e que serve de base a esta consulta pública, levanta uma série de questões cruciais para o futuro das escolas na Europa, designadamente as competências-chave, a inclusão social e o papel dos professores, para as quais se solicitam contributos de todos aqueles que se interessem pelo desenvolvimento da educação escolar na Europa.
Quem estiver interessado em participar nesta consulta pública deverá ler o relatório de consulta, escolher as questões a que pretende responder, e expressar então a sua opinião em qualquer língua oficial da UE. Ao todo são oito questões que incidem sobre a organização das escolas, as competências e a motivação dos alunos, o contributo das escolas para o crescimento económico da Europa, o abandono escolar e a diversidade cultural, entre outros temas.
Os contributos deverão identificar as acções que os participantes julgam ser necessárias para assegurar a qualidade de ensino em toda a UE. Os contributos deverão ser enviados até dia 15 de Outubro por e-mail para o endereço electrónico eac-schools-consult@ec.europa.eu.
Os resultados desta consulta pública serão depois analisados e sistematizados em Novembro, para apresentação na conferência "As escolas face a novos desafios", organizada pela presidência portuguesa da União Europeia.

Mais informações:
ec.europa.eu/education/school21/consultdoc_en.pdf"

Fonte: Educare

Mais uma novidade fresquinha da Google: mapas embutidos!

View Larger Map


Agora é possível colocar nos nossos blogues pequenos mapas interactivos baseados no Google Maps. O processo é tão simples como colocar um vídeo do Youtube.
Em primeiro lugar temos de ter uma conta no Google.
Depois fazemos o login em maps.google.com.
De seguida clicamos em "My maps" e logo depois em "Create new map".
Podemos adicionar formas, linhas ou mesmo apontadores para o mapa em questão.
No final é só clicar em "Link to this page" e escolher o código para colocar o mapa em questão.
É uma excelente ferramenta para partilhas os locais das férias com os amigos, mostrar um itinerário a uma visita, etc.
Experimentem!

sítio: http://maps.google.com

(Grr! Parece que isto não funciona com os blogues do sapo! Caramba e até era porreiro...)
______
Actualização: graças ao simpático pessoal do blog dos blogues do SAPO já consegui uma forma de dar a volta ao problema. Parece que os blogues do SAPO não são compatíveis com as iframes.


Para podermos visualizar iframes aqui temos de usar javascript. Para fazer isso é só colocar o seguinte código à volta da iframe:

<script type="text/javascript"> document.write('[colocar aqui o código iframe fornecido pelo google]'); </script>

Todo o outro código que não faz parte da iframe como as ligações para o google devem ficar depois do script.