Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

o sítio do conguito

deambulações pela net, palavras, imagens, sons, coisas estranhas... enfim, eu.

Um dos podcasts que já se encontra há mais tempo na minha lista é o Pessoal e Transmissível da TSF.


O trabalho de Carlos Vaz Marques é fantástico. Parece adivinhar as perguntas que nos vão pela cabeça quando ouvimos os seus convidados a falar e consegue manter um ritmo e uma cadência nos diálogos que me espantam de cada vez que o ouço.
Ele consegue tornar a  entrevista aparentemente mais desinteressante, numa descoberta que se recorda por muito tempo.

Ora, uma das entrevistas que mais gosto me deu ouvir foi a realizada (22-Out-2007) com Javier Urra, um psicólogo espanhol, autor do livro "Pequenos Ditadores". Fala-se da educação que os pais dão aos filhos e das consequências que daí advêm. É uma entrevista, e daí um livro, OBRIGATÓRIO para os pais dos dias de hoje. Na escola encontro muitas vezes alguns destes "Imperadores" e apenas tenho pena pelo que os pais irão passar dentro de alguns anos...

Além disso. quem quiser explorar, dê um saltinho até à página de podcast da TSF. Há quase trinta programas disponíveis.
______

sítio oficial: www.tsf.pt
Feed do Podcast
Entrevista com Javier Urra
29 Out, 2007

Moodle nas escolas

A moodle veio para ficar, para o bem e para o mal...



Ainda não conheço muito bem a plataforma mas que está na moda, está.
Toda a gente fala nele, pouco a conhecem e menos ainda a usam.

Pelo pouco que conheço da plataforma de e-learning penso que tem grandes potencialidades, parece-me fácil de usar e bastante intuitiva, contudo tem um grande "handicap": é preciso usá-la e não a deixar abandonada. Não basta colocar os conteúdos, tem de se criar uma interactividade com os alunos, com os colegas e com a comunidade educativa.

Outra coisa que me deixa um pouco "chateado" é a mania que as escolas têm de fechar "a sete chaves" as suas plataformas aos visitantes "estrangeiros". A Moddle pode ser um excelente "cartão de visita" que mostre o dinamismo de uma escola.

Pessoal vamos partilhar, aprender, cooperar pois é em conjunto que melhoramos.

Há já agora (e este foi o motivo deste artigo), o CRIE publicou um pequeno "directório" das plataformas moodle das escolas portuguesas ao qual juntou alguma documentação interessante. Está tudo aqui.

 Um hábito que eu tenho sempre que o computador insiste em mostrar a sua lentidão é pressionar CTL + ALT + DEL. No Windows XP, este comando abre o Gestor de Tarefas. Dentro da janela há uma aba muito útil: "Processos" que mostra todos os programas que estão a correr, a memória RAM que estão a ocupar e a percentagem do trabalho do processador que estão a usar.
Esta ferramenta de diagnóstico é muito útil pois podemos verificar qual é o programa que está a dar características de lesma ao nosso sistema. Para terminar o programa "à bruta" é só clicar com o botão direito do rato em cima do executável e escolher "terminar processo".
Contudo, às vezes os nome que encontramos são muito estranhos e não fazemos a mínima ideia do que representam e a que programas se referem. Para nos ajudar nessa tarefa temos o bleepingcomputer.com!

 
Este sítio tem armazenadas informações sobre milhares de processos que podemos ter instalados no nosso computador. Podemos saber se são ficheiros do sistema, se podemos "brincar" com eles, se são perigosos e até se não havia nenhuma necessidade de os termos instalados no nosso computador.
Além disso também tem uma base de dados sobre os ficheiros que podemos e que não devemos iniciar com o Windows.
Para facilitar a tarefa está tudo organizado alfabeticamente e por assuntos.

É mais um sítio obrigatório nos nossos favoritos e que nos dará uma ajuda sempre que nos virmos "à rasca" para saber o que fazer àquele ficheiro ctfmon.exe...
______
Sítio: www.bleepingcomputer.com
26 Out, 2007

abraços grátis

Já tinha visto isto em Lisboa. Pensei que fosse uma manobra para distrair os turistas e levar-lhes as carteiras... (mente porca, Pedro. Mente porca!)



Mas realmente é uma linda iniciativa, de tão simples como simbólica. Será que já nem temos coragem de abraçar um estranho?

Pág. 1/6