Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

o sítio do conguito

deambulações pela net, palavras, imagens, sons, coisas estranhas... enfim, eu.

Este post já estava nos rascunhos há uns dias. Acho que chegou a hora de destilar...

O novo modelo de avaliação que o Ministério da Educação IMPÔS é despropositado, injusto e incoerente !

É despropositado porque a avaliação dos docentes sempre existiu. Aquilo a que o Ministério chama de uma farsa na avaliação dos professores é da sua própria responsabilidade.
Passo a explicar: "antigamente" todos os professores dos quadros do Estado (Quadro de Zona Pedagógica e Quadro de Escola), quando atingiam um determinado tempo de serviço, se queriam subir de escalão tinham de apresentar um relatório dos últimos anos de serviço. Esse relatório reflectia sobre o trabalho que fizeram e referia as formações que frequentaram (essas eram necessárias para a progressão na carreira). No caso dos professores contratados, esse relatório era anual e tinha de ser entregue no final do ano lectivo.
O Conselho Executivo tinha a obrigação de ler e avaliar esse mesmo relatório e consequentemente o professor. O problema é que, para além do "Satisfaz" e do "Não Satisfaz", as restantes avaliações, apesar de previstas NUNCA FORAM REGULAMENTADAS pelos sucessivos Ministérios. Era muito difícil regulamentar? Não! Eles queriam? Não!

Eu penso que os professores devem ser avaliados. Concordo que haja diferenciação. Contudo, quotizar os bons, os muito bons e os excelentes não me parece a solução.
Este sistema é injusto porque parte do pressuposto que a maioria dos docentes não é  bom professor e que aqueles que têm mais tempo de serviço são automaticamente "melhores". Além disso associa à avaliação dos professores determinantes que eles próprios não controlam nem sequer são responsáveis. Vejamos o meu caso. Este ano, sou professor dos apoios sócio-educativos. Acontece que serei avaliado de acordo com o sucesso escolar dos meus alunos. Ora, parece-me que parto em "desvantagem". E o que falar dos professores que estão a trabalhar em "escolas-problema" ou sem condições?

Incoerência define-se como o facto de ter um comportamento pouco consistente ou até contraditório. Este Ministério é tudo isso.
Diz que admira o trabalho dos professores, culpa-os por todos os problemas da educação.
Cria comissões consultivas, apenas as ouve quando elas dizem o que lhe interessa.
Afirma que a principal função do professor é ensinar, atola-o em burocracias e serviços desnecessários ou contraproducentes.
Afirma que apenas os melhores podem exercer cargos de gestão, permite que o cargo de director seja desempenhado por um professor não-titular.

Na verdade, este modelo de avaliação é uma forma escondida do Ministério "prender" uma grande maioria de professores nos escalões mais baixos (poupando muito dinheiro); obrigar os professores a produzir os "números" que o governo tanto quer entregar a Bruxelas e dar a impressão que governa e legisla.

Resta saber porque bitola se irão eles próprios avaliar...
Isto é, se eles alguma vez forem avaliados.
31 Jan, 2008

Estúdio Raposa

aqui falei nele uma vez, contudo foi de raspão e este projecto merece bem mais atenção do que a que lhe dei.



O Estúdio Raposa é O audioblogue do Luís Gaspar.
À primeira leitura isto não parece nada de mais, e o nome até pode nem ser muito "reconhecível". Contudo a sua voz certamente já faz parte de grande parte das nossas memórias.

Apesar de lhe dar um grande mérito pelo trabalho que tem feito em publicidade e "voice over", penso que a maior contribuição que o Luís Gaspar tem dado à cultura portuguesa vem do seu trabalho com a literatura nacional. Este blogue é a prova viva disso.

O audioblogue está dividido em várias secções:
- "Palavras de Ouro", conjunto de programas dedicado aos (consagrados) escritores da língua portuguesa;
- "Lugar aos outros", espaço para todos aqueles escritores que ainda não conseguiram atingir o estrelato;
- "Histórias" (um dos meus preferidos), espaço dedicado às pequenas histórias tradicionais que povoam o imaginário português;
- "Audiobooks", um conjunto de narrações integrais de livros, ideal para aquelas viagens longas
- "Poesia Erótica" (o "irmão mais novo" da família), um conjunto de programas que abraçam a, por vezes esquecida e menosprezada, poesia erótica e satírica.

Um espaço que se mostra uma verdadeira homenagem à palavra escrita, que prima pelo perfeccionismo presente na produção dos ficheiros áudio e pela excelência da narração.
É, desde há 2 anos (altura em que o descobri), um podcast obrigatório na minha lista e uma persistente recomendação que faço aos meus colegas.

Experimentem, ouçam, subscrevam e... deliciem-se.

______
sítio: www.estudioraposa.com
feed (RSS): http://www.estudioraposa.com/index.php/feed/
feed (iTunes): http://www.itunes.com/podcast?id=90028834
30 Jan, 2008

Novas Oportunidades

...para gozar comigo.

Ontem o Agrupamento recebeu uma "simpática" cartinha da DREN que mais coisa, menos coisa dizia isto:

"(...)
Tendo presente que o objectivo destas iniciativas consiste na boa utilização dos computadores e na satisfação dos beneficiários, poderão surgir problemas ao nível do software decorrentes de uma eventual utilização menos adequada/informada.

Assim, junto se envia a Vª. Ex.ª um mediakit/CD de reinstalação do Office 2007 (...)
Sugere-se ainda que neste contexto:
- que seja designado como responsável pelo medikit/CD o Coordenador TIC da Escola ou agrupamento de Escolas;
- (...)
-que sejam fornecidas indicações para que o responsável pelo mediakit/CD possa ajudar nos casos em que seja imprescindível um apoio mais especializado;
- (...)"


Pois, para poupar uns trocados às operadoras que ganham dinheiro com a iniciativa dos portáteis, o Coordenador TIC deve ser o responsável pelo trabalho a que as operadoras se estão a esquivar.

E como a carta começa bem... Coitadinhas das operadoras, que até fizeram um serviço tão bom, afinal a culpa é da "utilização menos adequada/informada"!

Num país sério, quem vende computadores é responsável pelos problemas que possam surgir da sua utilização dentro da garantia; contudo em Portugal, terra de amizades, não é assim. É o peixe pequeno que sofre.

A mim não me afecta muito esta situação.
Vou colocar o CD na Biblioteca, quem quiser uma cópia, só precisa de o requisitar e que se safe...
Não tenho tempo para isto.

Mas, custava muito aos senhores da TMN, da Vodafone, da Optimus ou da SAPO colocar um arquivo do CD no seu sítio juntamente com instruções de como instalar o Office?
Penso que não. E até ganhavam dinheiro com isso, afinal 300 Mb é um terço do tráfego mensal permitido.
30 Jan, 2008

Mais um jogo...

...que me parece encher as medidas.



Tiberium, da Electronic Arts.

Baseado na épica história da série de jogos Command & Conquer, surgirá dentro em breve mais um FPS (First Person Shooter).
Através deste trailer deu para perceber as referências a outros jogos como "Halo" e "Final Fantasy", mas o que me está a deixar mais em "pulgas" é o final da apresentação: FPS + Acção Estratégica + Ficção Científica.

Ai, ai. Mais horas agarrado ao comando.

De acordo com um "estudo" da Gallup para o Fórum Económico Mundial (WEF), 42% dos portugueses dizem confiar nos professores. Aliás, esta é a profissão em quem os portugueses mais confiam. Mesmo à frente dos advogados e, claro está, dos políticos!

Esta notícia soube como uma taça de chocolate quente num dia de neve.
É certo que todos os estudos são relativos e cada vez menos confiáveis, mas até que enfim uma pequena lufada de ar fresco.

Estes dias tinha comentado com vários colegas que estava desesperadamente a precisar de uma boa notícia.
Parecia que sempre ouvia as notícias era a descascar nos professores ou lembrar que devemos fazer sacrifícios para o bem do país.

Bem, agora vou ali para um cantinho saborear um pouco de chocolate. Já volto.

Pág. 1/5