Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

o sítio do conguito

deambulações pela net, palavras, imagens, sons, coisas estranhas... enfim, eu.

31 Mai, 2008

cheiro a pólvora

O blogue dos jornalista Luís Castro ainda é recente. Nasceu com a sua última ida até ao Iraque de onde relatou os últimos desenvolvimentos no conflito.


 

Desde essa altura ficamos  a conhecer melhor o Bassim, o povo iraquiano e até mesmo o próprio Luís Castro.

 

Num estilo muito pessoal, ficamos a conhecer as opiniões e a visão pessoal do jornalista sobre o mundo e sobre as notícias.

 

Mas o Luís Castro também é o coordenador do telejornal da RTP e abriu no seu blogue um espaço onde os seus leitores podem intervir, enviando sugestões para a grelha do programa.

 

Visitem o seu espaço nos blogues do SAPO em www.cheiroapolvora.blogs.sapo.pt

Ao fim de muitos anos pelo mundo do Windows, decidi dar uma mordidela à maçã.

Pois bem, ao fim de cercad e dois meses de uso já posso fazer um pequeno resumo do que tem sido estes dias.

 

 

Antes de mais há que dizer que o mundo mac é lindo! Tudo parece ser muito intuitivo e funcional. Contudo alguns dos hábitos que trazia do Windows como os comandos pelo teclado fizeram-me alguma falta.

 

Os programas que já vêm com Leopard, principalmente o pacote iLife 08 (Garage Band, iDVD, iWeb, iPhoto, iMovie) são muito bons. O iTunes parece que voa e funciona às mil maravilhas com o iPod. Todos esses programas então todos interligados e partilham informação como velhas comadres. O Safari navega a velocidade supersónica, pena é que não permita o uso dos extras que tornam o Firefox tão especial.

Pelo simples facto de não ter de utilizar um anti-vírus ou mesmo um anti-Spyware, o sistema consegue ser muito mais rápido e funcional e isso nota-se desde o tempo de arranque até à utilização.

A ferramenta que mais gosto é mesmo o Spotlight. Este ferramenta de pesquisa permite-me encontrar à distancia de poucas teclas qualquer ficheiro, programa, definição, contacto, email, etc. Estou constantemente a usá-la, inclusivamente para abrir programas que não estão na Dock.

 

A utilização do sistema causou-me, ao início, uma estranheza, natural dos switchers, mas que com o tempo estou a ultrapassar. Como diz o adágio: "ao inicio estranha-se, depois entranha-se!".

Já consegui bloquear a máquina e até já vi um ecrã cinza (o equivalente aos ecrãs azuis do Windows), mas nisso eu sou um profissional!

Ainda estou na fase de deslumbramento e assim tudo me parece muito bonitinho, e arranjadinho. Achei genial o sistema de instalação de (quase) todas as aplicações. Basta arrastar o ficheiro a aplicação para a pasta das aplicações e já está! Se querer desinstalar, é só apagar o ficheiro em questão.

Já disse que o corrector ortográfico está presente em quase todos os programas? Genial!

 

Mas nem tudo é uma maravilha.

O iPhoto é uma desilução, pelo menos quando comparado com o Picasa do Google.

Tive de arranjar uma solução alternativa para continuar a usar o Windows dentro do Mac pois muitos programas que usava no PC ou não existem para mac ou não têm a mesma qualidade.

Felizmente que posso contar com Open Office para a produtividade, mas custou-me muito mais separar-me do Outlook. Mais tarde explico como fiz.

Para a sincornização com  o telemóvel tive de encontrar uma solução alternativa (SyncMate) pois o iSync ainda não conhece o meu telemóvel.

Na minha opinião, a maior limitação dos computadores com Mac OS X (Leopard) ainda é a existencia de pouco software (principalmente gratuito). É certo que já existe muito, contudo ainda não encontrei um espírito de partilha como se vê no mundo Windows ou até mesmo Linux.

 

No geral recomendo o mundo da maçã para quem gosta de coisas "bonitinhas", funcionais e sempre "à mão". Contudo, quem gosta ou está habituado a mexer em tudo quanto são definições, o melhor que tem a fazer é continuar com o Windows ou até experimentar o primo do Mac OS X, o Linux.

27 Mai, 2008

Transformações

Li um livro da escola

de trás para a frente.

Vê lá, transformei-me

num menino inteligente!

 

Escrevi no computador

com muito jeitinho.

Vê lá, transformou-se

num lindo livrinho!

 

Peguei num bichinho da seda,

e dei-lhe uma folhinha fresquinha.

Ve lá, transformou-se

numa borboleta lindinha!

 

Juntei umas palavras

com outras que tal.

Vê lá transformei-me

Num poeta genial!

 

Inspirado numa poesia de Luísa Ducla Soares encontrada no manual do 2º ano de Língua Portuguesa "Amiguinhos".

Já há muito tempo dizia-se que George Lucas estava a preparar uma série em animação baseada no universo da Guerra das Estrelas. Parece que afinal a série a haver não será para a televisão mas para o grande écrã.

 

 

 

 

 

 

Star Wars - Clone Wars é o primeiro filme em animação computorizada, baseado neste universo, a estrear no cinema. Passa-se entre as histórias do segundo e terceiro episódio da série ("O Ataque dos Clones" e "A Vingança dos Sith") e relata as missões de Obi-Wan Kenobi e de Anakin Skywalker para tentar restabelecer a paz com.. Jabba the Hutt.

 

Já existiu uma mini-série em animação tradicional que fez a "ponte" entre o segundo e o terceiro episódio com o mesmo nome e que tmbém explicou muito daquilo que ficou por contar. Este filme virá ajudar ainda mais.

 

Para ficar a conhecer melhor esta "galáxia muito distante" e todas as suas personagens façam como o Cláudio e dêem um saltinho a www.starwars.com.

Pág. 1/4