Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



a Dália e o anel mágico

10.11.10

[história para o fonema d]

 

Era uma vez uma menina chamada Dália.

A Dália era uma menina muito curiosa e que estava sempre à procura de coisas para brincar.

Num dia de sol, ela estava a brincar no sótão quando encontrou, no fundo de uma mala cheia de pó um anel velho.

Ficou muito curiosa pois queria saber de quem era o anel.

Foi até à casa de banho e limpou muito bem o anel até ele ficar brilhantes como o Sol.

Depois pôs o anel no seu dedo.

De repente, o anel começou a brilhar muito. Brilhava tanto, que a Dália nem conseguia abrir os olhos!

Passados uns segundos a luz ficou mais fraquinha e a Dália abriu os olhos.

Para sua surpresa já não estava em sua casa mas estava por cima de um manto de nuvens. Olhou para os lados à procura de alguém mas não encontrou ninguém. Contudo, atrás de uma pequeno monte de nuvens viu umas pintas negras. Aproximou-se e encontros, enterrado nas nuvens, um dado gigante cheio de arranhões.

"Mas que estranho um dado tão grande por aqui; e ainda por cima cheio de arranhões!" - pensou a menina.

"Mesmo assim vou guardá-lo. Pode servir para alguma coisa."

Pegou no dado e meteu-o ao bolso.

Caminhou durante muito tempo até que viu ao longe uma árvore.

Quando chegou à beira da árvore viu que estava lá um gato a dormir.

Chamou pelo gato:

- Ó gato!! Acorda!

O gato abriu um olho e suspirou. Mas virou o focinho para o outro lado e voltou a dormir.

- Ó gato acorda! voltou a chamar a Dália.

O gato voltou lentamente o focinho e disse:

- Não falo com desconhecidos.

- Pois, tens razão. Desculpa. Nem me apresentei. - disse envergonhada a Dália.

- Sou a Dália. Estou perdida.

- E eu sou o gato Dodó. - respondeu o gato com um ar mais bem disposto.

- Gato Dodó, sabes que sítio é este?

- Claro que sei, eu moro aqui. Este é o país dos sonhos!

- E sabes como é que se vem para este país? - perguntou a Dália.

- É fácil, só tens de meter no dedo o anel mágico e pensar numa coisa boa.

A Dália olhou então para o anel que ela tinha no dedo e que ainda há pouco tempo havia encontrado no fundo da mala suja. Mas ao lembrar-se da mala que estava no sótão da sua casa, sentiu uma dorzinha a apertar no coração...

- E para voltar para casa? o que tenho de fazer? - perguntou a Dália que já estava a ficar com saudades da sua família e dos seus amigos.

- Bem, isso é mais difícil. Tens de me dar um brinquedo que eu gostava muito mas que perdi há muito tempo. Se o conseguires encontrar digo-te tudo o que quiseres.

- Mas eu não sei como é esse teu brinquedo... disse tristemente a Dália.

- É fácil, ouve:

"Dadá era o brinquedo

Que eu mais gostava.

Perdi-o nas nuvens

Enquanto lá brincava...

 

Tem a forma de um cubo

e está cheio de pintas.

Umas azuis, outras amarelas,

Mas todas boas tintas"

 

-Espera aí. Eu acho que encontrei o teu brinquedo quando vinha para aqui! - disse entusiasmada a Dália.

E tirou da bolsa o dado gigante com os arranhões.

Os olhos do gato brilharam quando viram o dado que ele tinha perdido há tanto tempo.

- Obrigado Dália, és muito fixe! Pede o que quiseres que eu dou-te.

E o gato Dodó saltou para o chão e pegou no seu dado e abraçou-o.

A Dália, ainda indecisa, perguntou:

- Sabes gato Dodó, eu queria ir para casa, mas também queria voltar aqui para brincar contigo e descobrir mais coisas fantásticas.

O gato Dodó levantou os olhos e disse calmamente:

- Não te preocupes, o que tu pedes é muito fácil de realizar. Para voltares para casa só tens de pegar no anel que tens no dedo e rodá-lo duas vezes no sentido contrário aos ponteiros do relógio. Depois, se quiseres voltar, só tens de pegar voltar nele, rodá-lo e pensar em coisas bonitas.

-Muito obrigado - disse a Dália contente por ter descoberto uma forma de voltar para casa.

E logo de seguida rodou o anel no seu dedo.

Uma luz branca envolveu-a e ela fechou os olhos para não ficar cega.

Quando abriu os olhos descobriu que já estava em casa, no sótão, sentada no chão.

- Será que tudo isto não passou de um sonho? – pensava a Dália.

Guardou o anel no bolso e desceu as escadas a correr. Estava na hora do lanche e já sentia um formigueiro no estômago.

Enquanto comia um pão com uma doce fatia de marmelada, levou a mão ao bolso e pensou:

- Logo à noite vou descobrir se tudo passou ou não de um sonho…

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D