Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

o sítio do conguito

deambulações pela net, palavras, imagens, sons, coisas estranhas... enfim, eu.

21 Nov, 2007

se fosse comigo...

É tão sério que parece brincadeira...
O ministério da Educação contratou duas vezes o mesmo advogado para fazer o mesmo trabalho.

No primeiro contrato, o advogado João Pedroso comprometia-se a fazer um levantamento das leis sobre a Educação e ainda a elaborar um manual de direito da Educação. O trabalho deveria estar concluído até Maio de 2006, mas tal não aconteceu. Apesar de não ter sido concluído nos prazos previstos, o advogado recebeu a remuneração.

Ainda assim,o ministério fez depois com João Pedroso um novo contrato com os mesmos objectivos, mas a pagar uma remuneração muito mais elevada. Em vez dos iniciais 1500 euros por mês, João Pedroso passou a receber 20 mil euros/mês.

Perante estes factos, o ministério da Educação justifica-se dizendo que os objectivos do primeiro contrato não foram cumpridos por erro de avaliação. O secretário-geral do ministério assume as responsabilidades da tutela. Ao Rádio Clube, João da Silva Baptista diz que o ministério não soube avaliar o volume de trabalho que entregou à equipa liderada por João Pedroso da primeira vez.

Por causa do erro de avaliação, o ministério da Educação acabou por ficar sem possibilidade de exigir a João Pedroso para acabar o trabalho pelo qual foi pago e decidiu por isso pagar mais e renovar o contrato.

(...)
...nas escolas se não conseguimos fazer um trabalho, a avaliação cai em cima de nós. No ministério, as regras são outras.

Como eu gostaria se ler a avaliação que o secretário geral do Ministério vai ter (fazer) este ano. Certamente que vai "assumir as responsabilidades".
Uma sugestão: que tal descontar do seu salário o dinheiro público que vai esbanjar com este trabalho!!!
Haja paciência para esta gente!
_____
Fonte: Rádio Clube Português